Make your own free website on Tripod.com

história de igrejas

A Igreja do Espírito Santo, de Alenquer
Home
O Convento do Salvador em Lisboa e Casas Nobres de Azambuja e Alenquer
Os Telles (de Meneses) de Alenquer
A Antiga Igreja de NªSª das Virtudes, de Ventosa - Alenquer
Ota e a sua igreja do Divino Espírito Santo
A Ermida de Nª Sª da Redonda, de Alenquer
O Antigo Convento de Nª Sª da Conceição de Alenquer
A Vila de Ota e a Igreja do Espírito Santo
O Lugar de Arneiro e a sua Capela do Espírito Santo
As Antigas Igrejas de Santiago, de Alenquer e Palmela
O Pensamento de Nogueira, beirão guardense
igreja de Santa Catarina, de Alenquer
IGREJA DE S.PEDRO, DE ALENQUER
igreja de Santa Madalena-Aldeia Gavinha
Igreja de Santana da Carnota
Imaculada Conceição, Padroeira de Portugal
igreja-santuário de N.S.da Piedade, em Merceana-Alenquer
A Igreja de S. Bartolomeu,de Castanheira do Ribatejo
A Igreja do Espírito Santo, de Alenquer
igreja-basílica de Santa Quitéria, de Meca
O Convento de S. Jerónimo, do Mato
Pereiro de Palhacana e a História das duas Igrejas
A Capela de S. Roque, de Abrigada
O pelourinho e Igreja de N.S.Prazeres, de Aldeia Galega
Igreja de S. Sebastião, da Espiçandeira
Ruinas do antigo Convento de Montejunto
Vila Verde dos Francos e as ilustres famílias dos Noronhas e Albuquerques
Igreja Nª Sª dos Anjos, de Vila Verde dos Francos
A minha vida -cinco décadas de estudos
Favorite Links
Contact Me
Ex-Convento e Igreja de S.Francisco de Alenquer
Ex-Convento de Santo António de Charnais-Merceana

A igreja do Espírito Santo, de Alenquer 

  A IGREJA DO ESPÍRITO SANTO, DE ALENQUER E O CULTO

         RELIGIOSO DO PASSADO

 

     A Igreja do Espírito Santo, situada junto ao rio Alenquer, na sua margem direita, vem do tempo da Rainha D.Isabel de Aragão (Rainha Santa Isabel, mais tarde canonizada), esposa do Rei D.Dinis. Esta Rainha, tendo estado, temporáriamente, separada do marido, viveu em Alenquer e por sua iniciativa construiu-se a Ermida do Espirito Santo. Conta um cronista da época que "... como amava a seu esposo, em Deus, e a Deus, em seu esposo, unia os agrados, não repartia os afectos, porque em Deus achava o preceito de amar a seu esposo, e no amor de seu esposo, fazia o que Deus lhe mandava ".

     Guilherme João Carlos Henriques, na sua obra de 1873,"Alemquer e o seu Concelho", refere que havia em 1707, uma cruz de pedra na Calçada que sobe para a Igreja de S.Pedro, que já existia por volta de 1260. Essa cruz comemorava o milagre de cada rosa que a Rainha tinha dado a cada pedreiro da Ermida do Espírito Santo, e se tinha transformado num "dobrão" de oiro.

     A Ermida do Espírito Santo terá sido construída depois de 1300. Tendo em atenção que o sentido do Espírito Santo, simbolizado por "uma pomba" pretende revelar nos cristãos, o nascimento de Jesus, da Virgem Maria, por obra e graça do Espírito Santo, anunciado pelo Anjo S.Gabriel, o culto do Espírito Santo foi sempre uma das mais fervorosas devoções das famílias reais nos séculos XIV, XV e princípios do século XVI e este culto, no âmbito popular foi dos mais difundidos em Portugal, e de modo especial na Beira Baixa e Beira Alta. Era celebrado na Semana do Pentecostes e a cerimónia constava da coroação de "um imperador", uma pessoa do povo pertencente à Irmandade ou Confraria do Espirito Santo, que era eleito, e as festas anuais chamavam-se Festas Imperiais do Espírito Santo, instituídas por D.Dinis e Rainha Santa Isabel. As Confrarias administravam, em geral, um hospital; tal como hoje há um provedor nas misericórdias, também existia na Confraria do Espírito Santo, um provedor.

     O culto do Espírito Santo evoluiu e passou a constituir a mística do ideal das descobertas marítimas e da acção missionária portuguesa no Mundo. Julga-se que nos paineis atribuídos a Nuno Gonçalves, o políptico de S.Vicente, exposto no Museu de Arte Antiga, em Lisboa, onde se admira a figura do Infante D.Henrique, o 2º painel, que retrata os Pescadores e Navegantes "mistificados" como sendo confrades do Espírito Santo, posto que os navegantes, pescadores e mercadores estavam associados na Confraria do Espírito Santo de Lisboa ou de Lagos.

     Damião de Goes era confrade da Casa e Igreja do Espirito Santo, de Alenquer, onde ouvia missa e assistia às festas imperiais, sempre que estivesse em Portugal. Eram celebradas com tanto brilho, esplendor e entusiasmo que tinham fama em todo o Reino e a Alenquer chegavam romeiros vindos de Lisboa e de outras partes de Portugal. O concelho de Alenquer viu criar-se outras Igrejas dedicadas ao Espírito Santo, como por exemplo, a de Ota e da Atalaia, e as capelas em Aldeia Galega, Aldeia Gavinha e a do Arneiro. A Igreja do Espirito Santo de Atalaia, possui entre os azulejos do altar-mór, um que representa a Rainha Santa Isabel.

     Em domingo de Páscoa saía da Igreja do Espírito Santo, a bandeira da Irmandade, levada por um homem nobre. Um menino, filho das famílias principais da terra, caminhava entre duas jovens, levando na mão uma espada antiga curta, que a tradição dizia ser de D.Dinis. Atrás vinha um homem nobreseguido do capelão da Casa do Espírito Santo, com uma corôa de prata dourada sobre uma salva, também, de prata. Chegada a procissão à Igreja de S.Francisco esse homem nobre é coroado pelo sacerdote vestido de capa de asperges e depois as duas jovens dançavam com quatro homens nobres à vista do homem coroado que sentado debaixo de um docel, fazia a figura de imperador.  Doce, fruta, vinho e água, quanto sómente baste era consumida nesta cerimónia, feita no átrio deste templo. Repetia-se  este ritual todos os domingos até ao sábado de Espírito Santo (ou seja ao 7º domingo depois da Páscoa, que neste ano, por exemplo foi a 11 de Junho e o domingo da Santíssima Trindade no seguinte). Nesse sábado, véspera do domingo do Espírito Santo, ia o imperador acompanhado dos religiosos de S.Francisco e de todo o clero, até à Igreja de Triana, onde feita a oração, continuava a procissão de regresso e a recolher na Igreja do Espírito Santo e aqui benziam-se muitas merendeiras e carne que se repartia pelo povo. Como prova de grande riqueza e fama desta Confraria em Alenquer, sabe-se que entre 1520 e 1577 entraram 1052 confrades novos a somar aos já existentes. Entre eles encontravam-se muitos dos nomes mais nobres e antigos, como por exemplo Damião de Goes, Afonso de Albuquerque, Pedro de Alcaçova Carneiro, Francisco Carneiro, D. Pedro de Noronha, D. Leão de Noronha, a condessa de Linhares, D. Isabel de Lencastre, Lopo Vaz Vogado, D. Manuel de Portugal, Manuel Gouveia, Lançarote Gomes Godinho e muitas outras personalidades.

 

     Na época em que Bastião de Macedo era provedor da Casa e Igreja do Espírito Santo de Alenquer, isto à volta de 1570, Damião de Goes que era seu sobrinho, ofereceu à Igreja os seguintes bens, além de outros provávelmente: órgãos de som para substituirem os que havia e mal funcionavam; duas sobrepelizes de pano de linho e três balandráos de pano vermelho para serviço de missa de três homens ( as sobrepelizes eram usadas pelos padres, e se não as usassem, eram punidos com multas, norma instituída pelo Arcebispo de Lisboa, D.Jorge da Costa, em 1467); uma mesa grande de mármore onde se partisse a carne dos touros que se distribuia no bodo em domingo do Espírito Santo; uns bordos de madeira de fora, para fazer-se bancos onde se pusesse o pão do dito bodo, para se benzer; uns bordos para se fazer uma charola para o órgão da Igreja.

     Damião de Goes faleceu em 1574 e nesse ano reinava D. Sebastião, que depois desapareceu na batalha de Alcácer-Quibir.  D.Sebastião era neto do Rei D.João III e da Rainha D. Catarina e depois de ter ficado viúva governou durante a menoridade do neto. Os 10 filhos de D.João III já todos tinham falecido. As ligações do Rei D.João III, que era muito religioso, com Alenquer e Vila Franca de Xira e os Condes da Castanheira (o 1º Conde da Castanheira, D. António de Athaíde, era seu valido), foram muito amistosas, e por exemplo Castanheira do Ribatejo beneficiou muito com isso. A avó de D.Sebastião tinha jurisdição sobre a vila de Alenquer e o seu neto por cedência de sua avó ordenou que a Câmara de Alenquer construísse a Ponte do Espírito Santo. Foi concluída em 1576. Com ela foi construído também o Padrão do Espiríto Santo, com as armas de Alenquer; como nele está inscrito o nome de D.Sebastião, há quem o designe por padrão de D. Sebastião.Neste momento ele está no jardim do Largo do Espiríto Santo, perto da fonte de repuchos alternados. Nele também se lê que a ponte foi reconstruída depois em 1835. Segundo Guilherme João Carlos Henriques, quando a ponte foi reparada, esse padrão foi colocado nas arcadas da Igreja do Espírito Santo. Mais tarde, o Senhor Moisés Carmo, que era sócio gerente da firma Carmo & Cia., considerado o primeiro estabelecimento comercial dessa época, retirou o padrão da Arcada para o local onde ele actualmente se

encontra, não se sabendo bem em que data. O que se sabe é que esse estabelecimento comercial e todo o prédio em si, sofreu um violento incêndio em 26 de Junho de 1891 que o deixou reduzido a cinzas.

 

 

Fontes:

    Alemquer e o seu Concelho, de Guilherme João

      Carlos Henriques - 1873

    Os Descobrimentos Portugueses III, de Jaime Cortesão, 

 

                                   Carlos Nogueira                                                                                        

Enter supporting content here