Make your own free website on Tripod.com

história de igrejas

igreja-basílica de Santa Quitéria, de Meca

Home
O Convento do Salvador em Lisboa e Casas Nobres de Azambuja e Alenquer
Os Telles (de Meneses) de Alenquer
A Antiga Igreja de NªSª das Virtudes, de Ventosa - Alenquer
Ota e a sua igreja do Divino Espírito Santo
A Ermida de Nª Sª da Redonda, de Alenquer
O Antigo Convento de Nª Sª da Conceição de Alenquer
A Vila de Ota e a Igreja do Espírito Santo
O Lugar de Arneiro e a sua Capela do Espírito Santo
As Antigas Igrejas de Santiago, de Alenquer e Palmela
O Pensamento de Nogueira, beirão guardense
igreja de Santa Catarina, de Alenquer
IGREJA DE S.PEDRO, DE ALENQUER
igreja de Santa Madalena-Aldeia Gavinha
Igreja de Santana da Carnota
Imaculada Conceição, Padroeira de Portugal
igreja-santuário de N.S.da Piedade, em Merceana-Alenquer
A Igreja de S. Bartolomeu,de Castanheira do Ribatejo
A Igreja do Espírito Santo, de Alenquer
igreja-basílica de Santa Quitéria, de Meca
O Convento de S. Jerónimo, do Mato
Pereiro de Palhacana e a História das duas Igrejas
A Capela de S. Roque, de Abrigada
O pelourinho e Igreja de N.S.Prazeres, de Aldeia Galega
Igreja de S. Sebastião, da Espiçandeira
Ruinas do antigo Convento de Montejunto
Vila Verde dos Francos e as ilustres famílias dos Noronhas e Albuquerques
Igreja Nª Sª dos Anjos, de Vila Verde dos Francos
A minha vida -cinco décadas de estudos
Favorite Links
Contact Me
Ex-Convento e Igreja de S.Francisco de Alenquer
Ex-Convento de Santo António de Charnais-Merceana

igreja-basílica de Santa Quitéria, de Meca 

 

  

 

     A Igreja-Basílica de Santa Quitéria, de Meca, é talvez a mais bela Igreja do concelho de Alenquer, nos estilos neoclássico e barroco.

     Foi mandada construir em 1757 pela Confraria de Santa Quitéria, sob protecção da Rainha D.Maria I, que a considerou Igreja Real e promoveu a sua consagração à Igreja de S.João de Latrão, de Roma.

     Foi concluída em 1799. Conta a tradição, que uma imagem, reconhecida como sendo Santa Quitéria, foi encontrada na Quinta de S.Brás em 1238 e recolhida pelo pároco da Igreja da Várzea. Meca era e foi até 1660, curato anexo à freguesia de Santa Maria da Várzea  e só passou a paróquia independente, com título de priorado a partir de 1663.

     Santa Quitéria viveu, segundo a tradição, no século II, no tempo do Imperador Romano Adriano. Era filha de pais ilustres mas idólatras. Foi abandonada pela mãe, mas recolhida por uma devota cristã que a educou. A defesa do Cristianismo, por que pugnou, na sua vida e época, custou-lhe a perseguição e o martírio. A falta de documentação, fez criar um cariz lendário à sua vida, tendo sido venerada no século XV (1400-1500) por quase toda a Europa. É considerada a padroeira e protectora do gado, nas curas da raiva ou hidrofobia dos animais (horror à água).

     Tendo sido construída uma ermida , na época da aparição da imagem desta Santa, as curas operadas aos que iam em peregrinação a Meca, fizeram movimentar o lugar, formando-se uma Irmandade que se constituiu, talvez entre 1700 e 1715, na Confraria de Santa Quitéria, que veio a tornar-se numa das mais ricas de Portugal. A ermida ficou destruída com o terramoto de 1755 e em seu lugar lançaram-se oa alicerces da actual Basílica, no ano que já indicamos.

     A arquitectura neoclássica da Basílica assenta nas raízes da engenharia do Convento de Mafra e regista semelhanças estilisticascom a Basílica da Estrela e a Igreja de Santo António da Sè (Lisboa). As cúpulas das torres e o frontão com a cruz de pedra obedecem ao desenho do estilo barroco. A frontaria da Basílica tem seis pilastras com capiteis jónicos. Estas pilastras apoiam na parte média, os três janelões gradeados com o feitio de três simuladas varandas. Ao nivel da entrada há três altos p

orticos formando uma espaçosa galeria de acesso à porta principal. Na parede e lado esquerdo há uma placa sobre a data da aparição da imagem dizendo que 750 anos depois a mesma imagem esteve em cada lugar da paróquia, durante uma semana, participando o povo cristão, o bispo D.Josè Policarpo, as Irmãs Franciscanas M.M. e o pároco Padre Dr. Inácio F. Belo; data desta lápide - 1989.

    As duas torres sineiras ladeiam um frontão, já referido, com a grande cruz de pedra. Esse frontão possui arcos contracurvados de quase um quarto de ogiva, tendo ao centro um óculo de 4 curvaturas de semi-circunferência. À direita e à esquerda há 2 fogaréus, assim como mais quatro no cimo das torres, esculturas de pedra em símbolo de pira, querendo, talvez, simbolizar a queima em fogueira dos mártires, tal como teria acontecido a Santa Quitéria.

    No interior a nave é seccionada por pares de pilastras de estilo coríntio. Nas paredes laterais há quatro altares com vãos de arcos redondos ladeados por colunas encimadas por frontões. O tecto é emforma de berço e trabalhado com madeira de tela, pintado em tons de cinza, verde e dourado dando a impressão de relevos, contendo medalhões com cenas da vida e martírio de Santa Quitéria, com as seguintes representações: Santa Quitéria e o Anjo Gabriel; Santa Quitéria no Monte Pombeiro; Santa Quitéria na corte de Luciano; A Conversão das Sentinelas do Cárcere e O Martírio de Santa Quitéria. Pinturas que denunciam os estilos rócócó e neoclássico. São atribuídas ao pintor José Antonio Narciso (1731-1811), e executadas já nos últimos anos de sua vida, portanto depois de 1800. Já depois disso elas foram restauradas por Abel Moura em 1960. Na abóboda do cruzeiro ( ou transepto) estão pintados os quatro evangelistas: S.Mateus; S.Marcos; S.Lucas; S.João. São atribuídas ao pintor Pedro Alexandrino que também pintou paineis para a Sé de Lisboa e para a Basílica da Estrela. A tela com o tema "A Última Ceia" num altar do cruzeiro, tem a sua assinatura e a outra de "A Pregação de S.João Baptista", também a ele lhe é atribuída.

    A sacristia está adossada à fachada posterior da capela-mor. Possui as paredes decoradas e o tecto é pintado com arquitecturas de perspectiva. Este tipo de pintura que dá uma sensação de profundidade em altura, poderá levar a pensar-se que ela estaria inicialmente destinada para uma sala mais alta.

    As colunas interiores encostadas aos quatro altares atrás referidos, são de pedra "brecha negra" que segundo uilherme João Carlos Henriques, veio de uma pedreira que existiu em Monte Redondo, o mesmo tipo de pedra que fora utilizado no retábulo da Capela de Santo António, da Quinta de Abrigada.

    O dia 22 de Maio é dedicado a Santa Quitéria, pelo calendário cristão. No passado todos os anos em Maio, Meca enchia-se de romeiros provenientes de toda a parte, em especial, com devotos do concelho de Alenquer. O escritor Francisco Câncio, no seu livro "O Ribatejo" descreve de forma pitoresca e bucólica: ... " a estrada é uma maravilha, e por toda ela se encontram galeras de muares e cavalos, charretes, carroças e burrinhos, com gente simples a caminho da Santa, como nesta região se diz.Enfeitam-se os cavalos com fitas, o nastro bento, para que não sejam atacados pela raiva. Passam a abarrotar de gente, camionetes das de carga, com os bancos dispostos por forma a transportar o maior número de passageiros. Há quem saia de casa, de véspera, ao começo da noite, quando os sinos ticam as Avé-Marias. É uma noite inteira de marcha por veredas e azinhagas. O tocador de harmónio, os férrinhos, as guitarras e violas acompanham os ranchos sempre a tocar e a cantar. Os carros, conforme vão chegando, colocam-se lado uns dos outros, nos dois lados do caminho ou da alameda. Desengatam-se as alimárias, tapam-se com grandes mantas(porque os animais vêm suados) e na frente colocam-se as grandes alcofas com a ração.  Frente ao cruzeiro da Igreja, davam-se três voltas, onde o Senhor Padre, Paramentado, de caldeirinha e hissope na mão, lança pingos de água-benta sobre os animais. A missa começava pelas duas horas da tarde e a Igreja regorgitava de gente; a meio da tarde sai a procissão. Os sinos badalam e o seu som ecoa pelos campos verdes das colinas. Para a juventude, em Maio e na Primavera, em plena florescência, a romaria de Santa Quitéria é um congresso de amor, em que os olhos falam, as almas sentem eos lábios beijam. É depois, hora de aconchegar os estômagos; há barracas de petiscos, de comes e bebes e de frangos no churrasco; há vendas com queijadas de Sintra e barraquinhas de tiro. Apareciam também, os retratistas, para as pessoas e grupos tirarem retratos de lembrança para a posteridade. Outro efeito muito colorido era dado pelos arranjos feitos em varas de cana que eram rachadas em cruz de cima para baixo, e por essas rachas introduziam-se pares ou brincos de cerejas formando as "rocas de cerejas" que os peregrinos agarravam na parte inferior da cana.

    Na grande Alameda há um cruzeiro e nele está inscrito ter sido mandado erigir pelo Administrador João Vicente, em 22 de Maio de 1869, portanto no dia de Santa Quitéria, e há 131 anos. Vivia-se no reinado de D.Luis I, que acabou com a escravatura e a pena de morte em Portugal. Há também, à entrada da Alameda, do lado direito, um chafariz, hoje quase desactivado e pouco protegido, com reduzido fio de água a correr para um tanque rectangular. Este chafariz tem a seguinte inscrição: " com as esmolas dos devotos e confrades da glorioza Santa Quitéria se fez esta para cómodo dos romeiros que à sua Igreja a vêm venerar"

     Este ano, no último domingo de Maio, foi concelebrada missa solene e sermão, de que foi orador o senhor padre Anselmo, colega de estudos de filosofia e teologia do senhor prior da paróquia de Meca. A procissão saiu às 17 horas com os andores bem cuidados e floridos, entre os quais o de Santa Quitéria. Participou o grupo folclórico da Camacha, da ilha da Madeira, e a banda de música da SUMA(Alenquer) fechou a procissão.

 

 

    Fontes bibliográficas:

      - O Concelho de Alenquer, de António de Oliveira

            Melo, António Rodrigues Guapo e José Eduardo

            Martins.

     - Alemquer e Seu Concelho, de Guilherme João Carlos

            Henriques - 18

      - Ribatejo Histórico e Monumental, de Francisco Câncio.                   

 

                                                                                                          Carlos Nogueira           

Enter supporting content here