Make your own free website on Tripod.com

história de igrejas

Igreja Nª Sª dos Anjos, de Vila Verde dos Francos

Home
O Convento do Salvador em Lisboa e Casas Nobres de Azambuja e Alenquer
Os Telles (de Meneses) de Alenquer
A Antiga Igreja de NªSª das Virtudes, de Ventosa - Alenquer
Ota e a sua igreja do Divino Espírito Santo
A Ermida de Nª Sª da Redonda, de Alenquer
O Antigo Convento de Nª Sª da Conceição de Alenquer
A Vila de Ota e a Igreja do Espírito Santo
O Lugar de Arneiro e a sua Capela do Espírito Santo
As Antigas Igrejas de Santiago, de Alenquer e Palmela
O Pensamento de Nogueira, beirão guardense
igreja de Santa Catarina, de Alenquer
IGREJA DE S.PEDRO, DE ALENQUER
igreja de Santa Madalena-Aldeia Gavinha
Igreja de Santana da Carnota
Imaculada Conceição, Padroeira de Portugal
igreja-santuário de N.S.da Piedade, em Merceana-Alenquer
A Igreja de S. Bartolomeu,de Castanheira do Ribatejo
A Igreja do Espírito Santo, de Alenquer
igreja-basílica de Santa Quitéria, de Meca
O Convento de S. Jerónimo, do Mato
Pereiro de Palhacana e a História das duas Igrejas
A Capela de S. Roque, de Abrigada
O pelourinho e Igreja de N.S.Prazeres, de Aldeia Galega
Igreja de S. Sebastião, da Espiçandeira
Ruinas do antigo Convento de Montejunto
Vila Verde dos Francos e as ilustres famílias dos Noronhas e Albuquerques
Igreja Nª Sª dos Anjos, de Vila Verde dos Francos
A minha vida -cinco décadas de estudos
Favorite Links
Contact Me
Ex-Convento e Igreja de S.Francisco de Alenquer
Ex-Convento de Santo António de Charnais-Merceana

Enter subhead content here

Enter content here

  A IGREJA DE Nª Sª DOS ANJOS, de VILA VERDE DOS FRANCOS

 

   Esta Igreja Matriz de Vila Verde dos Francos teve provávelmente a sua fundação no século XII. Ela pertenceria à Corôa, no reinado de D.Sancho I, o Povoador. Segundo Guilherme João Carlos Henriques, ela foi visitada por um bispo de Lisboa, antes de a Vila ter sido doada aos Gomides. Ora, estes Senhores, reportar-se-ão a um franco Gonçalo Gomide que casou com D.Tereza Gil, descendente do chefe franco D.Alardo Praetori. O senhorio da Vila era tomado apenas e só por descendência dos Francos, cruzados do norte que tinham ajudado D.Afonso Henriques na conquista de Alenquer. O filho, D.Sancho I,  fez doação, como recompensa, dessas terras, na pessoa de D.Alardo. Aquele casamento de Gonçalo Gomide ter-se-à dado por volta de 1230 e portanto a Igreja será de data precedente.

    A Igreja caiada de branco, deve ter sofrido diversas reformas de alteração da sua traça original, quiça, por força dos efeitos dos terramotos de 1531 e 1755. Tem-se conhecimento que ela beneficiou de obras feitas a expensas do Doutor Paulo de Palácio, em 1580, que foi prior desta Igreja e de quem, mais à frente, falaremos. A porta lateral, com o seu pórtico em arco de volta inteira, parece fazer denotar a antiguidade desta Igreja. Também é curioso, que logo ao transpôr esta porta, imediatamente se situa à direita, a pia de água benta, logo, necessária e útil para os fieis se benzerem com essa água, à entrada do templo. Julga-se que seja uma peça do século XVI.   A Igreja veio a ter, passado pouco tempo, prior e beneficiados; estes em número de seis, representados por clérigos e pessoas influentes. O poder da Igreja aliava-se ao poder dos Senhores, que tornaram esta Vila importante, adquirindo o estatuto de capital de concelho, possuindo jurisdição autónoma, com órgãos administrativos e judiciais. Os rendimentos atribuíveis aos beneficiados desta Igreja cresceram de importância, a ponto de chegarem a ser disputados por bispos de Lisboa. Dois terços dos benefícios iam para o prior e bispo, e o restante terço era afecto aos outros beneficiados, que seriam estes em número de quatro. O bispo beneficiado de maior importância, parece ter sido o cardeal arcebispo de Lisboa, D.Jorge Costa, grande reformador, que se opunha com veemência a todas as formas laicas e pagãs das devoções populares. Veio a falecer em Roma em 1508, estando sepultado em Santa Maria del Populo. Na sua capela tumular figuram, num retábulo, S. Vicente e Santo António, ladeando Santa Catarina, homónima da Infanta D.Catarina de quem foi preceptor e que julgamos ter vindo a ser a futura mulher de D.João III. Só muito mais tarde, por volta de 1870, é que os rendimentos dos benefícios foram transferidos para o seminário de Santarém. Ainda em 1750, o prior arrecadava no seu quinhão ( um terço ), o rendimento de 500$000 reis, que seria quantia avultada, se pensarmos que  para acabar a impressão da última parte da Crónica do Felicíssimo Rei D.Manuel, Damião de Goes, pediu um empréstimo de 1000 cruzados, e a Rainha D.Catarina, ordenou que fossem entregues ao célebre e rigoroso Cronista, a quantia de 500, isto é, metade; e julgamos que a moeda de reis, posterior, fosse de mais valia.

   Também poderemos aquilatar da importância e poder que esta Igreja e Paróquia, tinham nos séculos XVI e XVII, principalmente, atendendo ao prestígio e magnificência de personalidades que nesta Igreja exerceram a função de prior. Um deles, foi o licenciado Simão Barbosa, natural de Arrifana do Sousa e falecido, provávelmente, na primeira metade de 1500. Outra individualidade de prestígio foi  o Doutor Paulo de Palácio, prior nesta Igreja em 1580. Espanhol, de origem, veio para Portugal com a Rainha D.Catarina, que era filha de Filipe I de Espanha e casou com o nosso Rei D.João III. Era doutor em Teologia,  tendo sido pregador privado do Cardeal D.Henrique. Como catedrático, escreveu obras em castelhano, sendo de referir a Suma Caetana e dois tomos in Matheum ( o 2º tomo não foi impresso e o original ficou no Arquivo desta Igreja. A sua biblioteca foi deixada ao Convento da Visitação como se julga ter ficado escrito em seu testamento de 1579. Reconstruiu a Igreja à sua custa em 1580 como já referimos, e vem escrito na obra de Pinho Leal "Portugal Antigo e Moderno". Faleceu em 1582 e ficou sepultado nesta Igreja. Não sabemos, ao certo, se a quinta de Palácios, em Pereiro de Palhacana era sua, mas estamos em crer que sim. Em 1633 foi prior D.Manuel de Noronha, figura ilustre, que viveu entre 1594 e 1671. Nasceu nesta Vila Verde dos Francos, no Palácio dos Marquezes de Angeja, em ruínas, e era filho de D.Francisco Luiz de Noronha e Albuquerque. Foi também prior da Castanheira e prior-mór da Ordem de S.Tiago. Chegou a bispo de Viseu e quando designado para bispo de Coimbra, não chegou a tomar posse, porque a morte o surprrendeu. A ele sucedeu, como prior desta Igreja de Nª Sª dos Anjos, seu irmão D.Luis de Noronha, que faleceu em 28 de Novembro de 1643, cuja lage sepulcral se situa debaixo do altar-mór.  Em 1670 foi prior o padre Lucas de Andrade, mas este era beneficiado da Igreja de S.Nicolau de Lisboa; era um prelado de elevadíssima cultura geral. Em 1706 foi prior o padre José de Matos Henriques que foi comissário da Inquisição. Por fim ainda, de referir o padre Guilherme António da Costa, frade da Ordem de S.Francisco em Xabregas, onde professou depois de 1830, vindo posteriormente para esta Igreja de Vila Verde dos Francos, sendo prior em 1873.

    A Igreja de Nª Sª dos Anjos é bastante ampla, de arquitectura rectilínea mas austera. A porta lateral voltada a sul, acusa o vestígeo de o templo ser muito antigo e ter sofrido diversas reformas na sua construção. No exterior em posição de rectaguarda em relação à sacristia, denotam-se nos beirais do telhado diversas gárgulas, que são figuras grotescas trabalhadas na pedra e com veio escavado por onde se escoam as águas pluviais da cobertura do telhado. Infelizmente foram caiadas ou retocadas de branco, não se podendo distinguir assim a sua configuração.

    Em 1758 o altar-mór possuia além da Imagem da Padroeira , a de S.José e de S.João Baptista. É curioso julgar-se que esta Imagem terá porventura vindo de uma ermida que existia no antigo Castelo. No altar do lado do Evangelho existia O Menino Jesus, S.Sebastião, Santa Luzia  e Santa Anna. Do lado da Epístola, havia nos dois altares as Imagens de Santo António, S.Marcos, Santo Antão, Nª Sª do Rosário e S.Gregório.

    Os Marquezes de Angeja, com o seu Palácio nesta Vila, cujas Ruínas, ainda admiramos e mereciam melhor conservação, os marquezes, diziamos, eram os juízes perpétuos da Irmandade do Santíssimo que nessas épocas de 1600/1800 existia. Festejavam a Festa do Santíssimo no 3º domingo de Outubro e a Festa de Nª Sª dos Anjos em 15 de Agosto.

    Presentemente podemos observar no altar-mor uma Imagem de Nª Sª dos Anjos, que julgamos ser uma réplica da antiga e original. No corpo da Igreja e do lado esquerdo, patenteia-se uma bela Imagem da Imaculada Conceição e os Anjinhos; do lado direito, observamos as Imagens de Nª Sª das Dores e de Nª Sª de Fátima.

    A pia baptismal, que se julga ser do século XVII, está junto à entrada principal do lado esquerdo, em compartimento que se fecha e abre com um gradeamento bem construído.

    No pavimento do altar-mór observamos do lado, quando estamos de frente para o altar, uma lage com brasão, cuja inscrição está parcialmente destruída, mas que por análise das palavras incompletas se julga dizer respeito a Simão Barbosa, cujas armas serão dos Barbosas, com um escudo redondo atravessado em diagonal por espada, em jeito de banda, no seu pano de fundo, e dentro de uma cartela oval com laço e fivela. Do lado esquerdo, que julgaríamos tratar-se do brasão de Luís de Noronha, parece, pelas fontes de documentação que consultamos, tratar-se antes, mas sem confirmação, do brasão, que talvez fosse do Doutor Paulo de Palácio. O brasão está dividido em quatro partes, no seu campo ou pano de fundo: um castelo; uma planta; estrelas; um enxaquetado (xadrez em relevo).

       Para finalizar, referiremos apenas, e além desta Igreja,  que a Capela da Misericórdia evoca com grande devoção a Imagem do Senhor dos Passos, fazendo-se procissão antes da Páscoa com a sua saída e encontro com Nª Sª que sai da Igreja Matriz, e ainda há anos atrás se realizava junto da Capela do Anjo da Guarda, à entrada da Vila, para quem vem de Alenquer, uma festa, feira e romagem no 3º domingo de Julho.

 Fontes:  -Alemquer e o Seu Concelho, de

                   Guilherme João Carlos Henriques - 1902.

                -O Concelho de Alenquer - 1, de Profs.

                   António de Oliveira Melo, António Rodrigues

                   Guapo e Padre José Eduardo Ferreira Martins.

                - Portugal Antigo e Moderno, de Pinho Leal

                                                     Carlos Nogueira

 

Enter supporting content here